CORPTALKS

The reasons why Scrum fails in Brazil

http://www.flickr.com/photos/sivanataraj/7260184276

I‘m working with Scrum, and as a Scrum Master, since 2008 in Brazil. And Brazilian culture is the most difficult aspect to change in a company mindset. But a company is made of people, and inside the people’s mindset, we have the Brazilian way mindset. Or something that are deep inside them that tells them “the way things must work in this land”. I’ll try to align the explanation with some historical background.

– Do not question/Authority culture: Since Brazil was a colony, things seems to come be already formatted us. So, do no think, just do it the way someone says.… [continue lendo]

Advices to the Millennials

http://www.flickr.com/photos/vhaldemar
During this year, many have been said about the millennials. And I’m feeling what they’ll feel someday: something new is coming and I’m not on it. Or as Steve Jobs said about death “It clears out the old to make way for the new”. I’ll consider myself as a Generation Y member[1]. I’m starting to have real contact with this generation, and the feeling that I have about it  is:  everything is glamourous and quick. And worst, they’re being “supported” by a lot of people that doesn’t have a clue about digital world, so they attach the millennials to this digital world (and think that is the same package).… [continue lendo]

Caça às Bruxas

CC - http://www.flickr.com/photos/stephen-oung/5650377059/
Os tempos mudaram, mas um padrão de comportamento se repete em departamentos de TI. O famoso “Caça às Bruxas”. O cenário normalmente segue essa linha: o projeto é grande, o desafio também. Pessoas muito qualificadas e muito comprometidas estão envolvidas. E como todo cenário desse tipo, há muitos riscos envolvidos.
As coisas começam a andar com dificuldade e os big-bosses não conseguem ter a visão macro e insistem em ser imediatistas e quererem tudo para ontem ao invés de entender que a falha é parte do processo de aprendizagem do time. Falhas acontecem e BOOM. Tiraram as pessoas que estão errando do caminho.… [continue lendo]

Scrum Melhores Práticas – Applied on Corporate Scenarios – Pt1


Que o Scrum funciona, ninguém duvida. O problema mora em como e onde ele é aplicado. Ele tem mais chance de mostrar resultados em empresas pequenas (onde geralmente há mais flexibilidade e espaço – ou mente aberta) do que em empresas grandes (corporações com processos dogmáticos).

O manifesto ágil é pragmático. Mas ele parte da premissa que você não trabalha com crianças. Ex.:Documentar uma micro-decisão por e-mail.

Tenha em mente que ao implantar o Scrum (e TODOS os seus valores) você terá dois benefícios imediatos: Detectar os problemas que “impedem” a velocidade de entrega (todos os tipos de problemas: técnicos, políticos, etc.) E trocar grandes falhas que serão detectadas em meses (ou em uma janela de tempo muito maior) por pequenas falhas – que são corrigidas na iteração seguinte.As maiores “lessons learned” que tive foram:

Confundir Scrum com bagunça
Ao entrar diretamente em choque com um sistema processual, o Scrum é sempre confundindo com bagunça ou desorganização.… [continue lendo]

A busca de talentos das empresas



Há muito tempo a mídia em geral bombardeia a mesma notícia: Faltam profissionais em TI. Na minha visão, até o final da década de 90 isso era verdade. Havia um grande gap entre a demanda e a oferta de profissionais. Na virada do milênio, essa discrepância diminuiu a um ponto quase inexistente. O que existe hoje são fatores que influenciam a busca mal-sucedida das empresas. Particularmente no Brasil, depois de 2008, com as crises eclodindo nos EUA e na Europa, a demanda exponencial caiu consideravelmente. Projetos gigantes já surgem com uma frequência menor. E quando surgem, a maturidade é maior do que se via no começo dos anos 2000 (sem um planejamento adequado e com afobação de ver entregáveis mais do que tomar decisões de negócios coerentes).… [continue lendo]

Corp Patterns – Little Italy

Um dos mais famosos patterns que acontecem no mundo corporativo é a mafiazinha de pequenos poderes – ou como eu prefiro chamar carinhosamente de Little Italy. Gente pequena que chegou lá em cima porque conhece alguém, ou porque é da família. Nada de anormal, business as usual.

O que é esse padrão?
É uma estrutura hierárquica em que alguém claramente despreparado, que não deveria estar em uma posição X, está lá. Não contente, traz toda a sua corja de amigos de faculdade, futebol, familia e brother em geral. Dessa maneira, é possível maquiar resultados em todos os níveis abaixo dele e todos ali se mantém empenhados em fazer tudo parecer estar dando certo, pois todos dependem dessa imagem de sucesso.… [continue lendo]

About Marketplace

CC - World Relief Spokane

Em tempos de transição de empregos, presenciei algumas situações que todos sabem, mas poucos se lembram nesse período. Essas situações valem a pena serem lidas quando estamos nos posicionando novamente no mercado. São elas:

1 – Não espere respeito ao horário: Calculo por cima que do total de entrevistas que eu fiz, posso falar que em 99% delas não fui atendido no horário em que a empresa marcou. Para ficar claro, eu não impus o horário que eu podia, aceitei a primeira sugestão de horário proposta. Mesmo assim, a média ficou entre 20 a 30 minutos de atraso. Eu sei, você pode falar: mas todos têm problemas e imprevistos.… [continue lendo]

KPIs, ROI e Valores Intangíveis em Projetos

Por definição, o gerente de projeto deveria (ainda na fase de iniciação) compreender o business goal que o projeto irá atingir. Esse business goal pode ser expresso por várias maneiras. Porém, quando estamos falando em ROI – qual o retorno que o projeto traz para a empresa dado o investimento e quais KPIs esse projeto será avaliado a tendência é estamos sempre lidando com o tangível, quantitativo. Na transição da sociedade industrial para a sociedade baseada em informação ainda temos dados tangíveis e quantitativos para medir a eficiência dos projetos.

Nem sempre os projetos de hoje são só expressos em números, alguns valores que os sponsors querem entregar ao cliente saem do tangível ou são puramente políticos?… [continue lendo]

2 more patterns – Os últimos dois padrões de comportamento

Depois de um longo tempo de validação desses padrões, creio que quando há consciência dos 4 últimos relatados a sua vida se torna bem mais simples. Identifiquei mais dois padrões nos últimos tempos. São eles:

Compromisso-less: Este é uma mistura entre o 3 e o 4, porém, bem mais simples. A pessoa simplesmente, por mais que você tenha argumentos, não admite que “pisou na bola”. Mesmo havendo previamente acordos, provas, etc. quando chega o momento de você cobrar algo combinado que não foi cumprido a pessoa simplesmente não consegue admitir que ela poderia ter agido de outra forma – mais próxima do esperado ou combinado.… [continue lendo]

Padrões de Comportamento Humano – Human Behavior Patterns

Há algum tempo tenho observado padrões de comportamento em interações entre pessoas. Elas se repetem e não importa o ambiente que você está – trabalho, estudo, família, condomínio,etc. Aprendi, à duras penas, que o desconhecimento desses padrões faz com que a pessoa não saiba como reagir à ele. Pois fica confusa tentando por “lógica” em uma situação que não existe lógica. Nas interações em que cenário é “cliente-fornecedor (ou prestador de serviço)” ou entre pessoas que combinaram alguma ação ou entrega previamente acordados .São eles:

1 – Transferência de problemas: mais clássico, acontece quando você se vê lidando com problemas que não são seus e sim mal administrados por outras pessoas.… [continue lendo]