The reasons why Scrum fails in Brazil

http://www.flickr.com/photos/sivanataraj/7260184276

I‘m working with Scrum, and as a Scrum Master, since 2008 in Brazil. And Brazilian culture is the most difficult aspect to change in a company mindset. But a company is made of people, and inside the people’s mindset, we have the Brazilian way mindset. Or something that are deep inside them that tells them “the way things must work in this land”. I’ll try to align the explanation with some historical background.

– Do not question/Authority culture: Since Brazil was a colony, things seems to come be already formatted us. So, do no think, just do it the way someone says. The colony mindset of separate people that “think” and people that “execute” is yet present in our days. Seems that someone (that in most of the time don’t execute), design the flow and how things must work. And questioning about design is an offensive way to demonstrate that you’re concerned with the process. Other related point is our authority concept in Brazil. “Fear stinks” is one of the first things that I remember when I was introduced to Scrum.

“The hero turns statue, but the coward walks with grandchildren” – André Dahmer

So, question is in the roots of Scrum. You have to question everything. And these process of questioning is what will bring the best solutions to the team/product. Although, our fear of authority – since in our mindsets is stick with “The hero turns statue, but the coward walks with grandchildren” – seems to block us, our “Scrum capacity” is very limited.

– Product culture: In few opportunities the Scrum team is involved with a product that is evolving. In most of the cases, we don’t have a product, we have a continuous development of something. A mix, that can be a part of a product here, some maintenance there of other product, and goes on. And this model kills all concept of commitment of the team. “We have to do it anyway” so, why care? Why questioning? Why offer an opinion with a new feature for the project? The team is not part of the product anyway. They’re part of a department. A silo that can be described as a indian tribe – including a indian chief that speaks a difficult language.

http://farm3.staticflickr.com/2740/4533726490_1b26a9a80d.jpg
– Fail culture: We must try and and get things done right in the first time. If not… well there’s a bench full of defeated that will always be available to you. We don’t have here a culture that promote the telling of failure as a way analytic identify your faults and map new strategies to new attempts. I think of all reasons, that’s the worst. I once saw in an article something like “if you’re not failing, you’re not learning” and I can’t agree more with that. Not just for Agile, or Scrum, or methodologies, but for life in general. Unfortunately, advices are good, but getting knocked down and hitting the ground, ow… that’s a lesson.

“if you’re not failing, you’re not learning”

Regardless this, we only see in magazines, TV shows and inside our company successful stories. Seems that learning with fail is something that everyone should be ashamed of.

– Brotherhood culture: “This is not right, but hey… who do I lunch with everyday?”. Scrum retrospectives in Brazil are a bad taste joke. Everybody praise team’s accomplishments. No one points a finger to a specific co-worker and says “hey… in that day, I was counting on you to execute a task and you came late to work with a lame excuse. I didn’t like it, and I don’t think that this is good to the team”. After all, the chances are immensely higher to work with him again than work with your boss again. Company culture, don’t encourage people to separate professional and personal life also. Companies don’t invest enough efforts on events which will help people to meet, communicate and build closer relations among them.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Advices to the Millennials

http://www.flickr.com/photos/vhaldemar
During this year, many have been said about the millennials. And I’m feeling what they’ll feel someday: something new is coming and I’m not on it. Or as Steve Jobs said about death “It clears out the old to make way for the new”. I’ll consider myself as a Generation Y member[1]. I’m starting to have real contact with this generation, and the feeling that I have about it  is:  everything is glamourous and quick. And worst, they’re being “supported” by a lot of people that doesn’t have a clue about digital world, so they attach the millennials to this digital world (and think that is the same package).

To get things clearer: Digital world was made way before any of millennials even thinking about their birth and I may say that it was done by people before my generation. Second thought, this is not a “my generation was best” article, but seriously: things that this generation have to start considering before they become a generation of depressive people who didn’t achieve theirs goals. So, the advices of the 30 something guy start:

Life is gonna hit you in the face

I’ll repeat: “I don’t care how tough you are it will beat you to your knees and keep you there permanently if you let it. You, me, or nobody is gonna hit as hard as life. But it ain’t about how hard you hit. It’s about how hard you can get it and keep moving forward. How much you can take and keep moving forward. That’s how winning is done! “.

“It ain’t about to come up, it’s about to come back”

So.. who am I? If Rocky Balboa says, it is said. And it’s all said in this part of the movie. You know that job promotion? That wonderful trip? That flirt? It’s not going to happen, son. Not that easy. And if for a piece of probability happens, it was lucky. And it will be washed away from you before you realized it. Serious, good things happens from hard work, and you got to be willing to take the hits. But it’s not that painful. So be aware: many bad things will happen and things that you didn’t want to happen, or you didn’t think you deserve are going to happens with you. But you can handle it. You are build to last.

Learn to question

Do I need to say more? This is not an issue from their generation. It’s a general issue. But since things are not going any better, they should consider this advice. There’s a book called “The Death of Why – The Decline of Questioning and the Future of Democracy”.

“Questions are a risky business. There’s a reason Socrates was sentenced to death, after all”

In the beginning of the book the author says something that I’ll never forget: “Questions are a risky business. There’s a reason Socrates was sentenced to death, after all”. You’ll read a lot of articles, statistics and conclusion that you need to stop and say: Who said that? How did you come with 30%? How this sample vs population was defined? Based on what? Which scientific evidence do you have to write this? This quest for sources must be part of your personality. Don’t let other people draw the conclusion for you. It’s YOUR responsibility to judge things those you read and allow then to influence (or not) you.

Don’t believe the hype

Said Public Enemy back on 1988. Media is a business. And since business stands for money, you don’t need to be that smart to understand that media create and promote news to influence you to do what they think it is best. But let’s cut the conspiracy talk here. This advice is not just about “media” or the “mainstream”. It’s about going with the flow. Don’t believe in things just because “everybody is doing or saying”. Really, if everybody is doing something I’ll go for the opposite direction. The mediocrity standards are becoming lower and lower. So, reconsider your thoughts on things that everybody is doing. DON’T GET STANDARDIZED.

Focus your energies

You might not realize, but your time is limited. So, focus your energies on things those will make you better. Do you have to work with someone who you don’t like? Do your work and let mother nature do her job. You should focus your time on learning, coaching people, and working. Don’t spend your time trying to influence others or trying to prove your point. No one cares about it. No one.

Work Hard

There are many “motivational speeches” around. But I’ll stick with Master Arnold. Yeah, Arnold Schwarzenegger. He once said something that is the real deal: “You can’t climb the ladder of success with your hands in your pockets”. And in this same speech he also said: Muhammad Ali, one of my great heroes, had a great line in the 70’s when he was asked, “How many sit-ups do you do?” He said, “I don’t count my sit-ups. I only start counting when it starts hurting. When I feel pain, that’s when I start counting, because that’s when it really counts”. That’s what makes you a champion. No pain, no gain.

“You can’t climb the ladder of success with your hands in your pockets”

Again, folks we’re drinking straight from the fountain here. I’ve seeing many young people believing that you don’t need to work or study as hell. That you can skip this boring and tedious part and go straight to success. Guys, there are no shortcuts.
You REALLY have to pass through all. I’m seeing that they are also “starting” it wrong. They want to graduate on college doing a course that is the shortest as possible. And not the one that is the right course for their future. And for those who think that “oh… this is workaholic talk”. Really, there’ll be plenty of time to have fun. But you’ve got to have priorities. To finish this advice, let’s see what Master Arnold says about it “fun”: “It is important to have fun in life, of course. But when you’re out there partying, horsing around, someone out there at the same time is working hard.Someone is getting smarter and someone is winning. Just remember that,if you want to win, there is absolutely no way around hard, hard work”. Enough said.

Be ethic

I’ll be short on this one because involves believes.  You may believe or worship whatever you want to: God, Jah, karma, voodoos, or someone who you trust. But there’s no more proven law that “you do things here, you pay things here”. World is a small town but from this law you can run, but you can not hide. It’s not yours? Don’t take it. You don’t want to people do this with you? Don’t do this to others. Simple as that. This is the kind of thing that evidences will get more and more clear as time goes by. And you’ll clearly see that this life is a mirror: You do good things, good things happens to you. When bad things happens to good people, I always remember Steve Jobs quote: “Sometimes life hits you in the head with a brick, don’t lose faith”. Sometimes good things fall apart so better things can happen. Trust that this happened for a reason that you won’t understand now – but someday everything will fit.

Trade-offs

Economics says that a human being (and I strong believe that you should be on this specie) are capable of doing trade-off. And define trade-off as “the sacrifice that must be made to obtain a certain outcome”. So, two important concepts are being presented here: sacrifice and decision. Do you understand that alternative A have pros and cons and alternative B that have pros and cons too. So, you must compare pros with pros and cons with cons. And going further, after you decide that you prefer alternative B, you understand that when you choose B over A you’re accepting its cons together? So, although alternative B have cons, you rationally prefers accepts its cons over cons of alternative A?

This is a very important concept that human beings are losing. They want all. They want the pros of A and B and no cons. Really? Because this is a law of life. You have to deal rationally with cons. That is part of the process of becoming an adult.

Validation

Social networks are full of people screaming for validation. You don’t need “likes” on your status, just to be sure that people like you. I strong believe that they don’t. Well, to tell the truth, they do.

people aren’t against you; they are for themselves

But not the amount of like required to help you with a ride to a hospital when you are sick, or the amount required to help you when you’re unemployed. It’s just the amount required to pretend they care. Or the amount required to “let’s have a beer together”. So, you don’t need to share you thoughts with them. Neither do you need to be accepted in their circle. So, start to realize that “people aren’t against you; they are for themselves”. Do this hurt you? Ok, sorry. Let’s paint a rainbow again… everybody likes and cares about you, and YOU are REALLY important. Yeah…

Overrate

This generation have a real issue with overrating. Everything about them is overrated. They overrate everything. Their parents, family raise their kids as they are the center of universe. And this allow them to believe that they can do all things they want. So it’s not a college party, it needs to be THE party. You have THE job, THE girlfriend. They are nature marketers. They sell theirs experience as something that we would never understand or have a taste over it. As time passed by, they will slowly realize that it is not THAT nice. And everyone will see that maybe, things got a little overrated.

References

Short on this. Without reference the ugly becomes beautiful and bad becomes good. So, watch your references, they will slowly shape you and your thoughts of life.

Control

People love to stay on control. This generation should be aware as you get older you realize an important thing: you JUST can control yourself and what you do.

People are unpredictable

The other controls are just imaginary. They’re just being sold as an illusion that you have control. You haven’t. You haven’t control of people’s action. And since we’re talking about people: they’re UNPREDICTABLE. Do you think you know someone? Believe me. People are unpredictable.

That’s it. These advices will get clearer to you as you start to live. When you move from your parents house, when you finish college, when you start to work, when get married, when you get divorced, etc. I strongly hope that someone from millennial generation read this and, even though don’t fully understand it now, keep on their minds.

[1] Generation Y = From 1977 to 1990. Millennials = From 1991 to nowadays

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Caça às Bruxas

CC - http://www.flickr.com/photos/stephen-oung/5650377059/
Os tempos mudaram, mas um padrão de comportamento se repete em departamentos de TI. O famoso “Caça às Bruxas”. O cenário normalmente segue essa linha: o projeto é grande, o desafio também. Pessoas muito qualificadas e muito comprometidas estão envolvidas. E como todo cenário desse tipo, há muitos riscos envolvidos.
As coisas começam a andar com dificuldade e os big-bosses não conseguem ter a visão macro e insistem em ser imediatistas e quererem tudo para ontem ao invés de entender que a falha é parte do processo de aprendizagem do time. Falhas acontecem e BOOM. Tiraram as pessoas que estão errando do caminho.

Uma coisa é certa: as pessoas envolvidas vão aprender com os erros cometidos. E elas vão reter esse conhecimento com elas – na sua empresa ou vão usar o que aprenderam em outra empresa.

E claro, não podemos esquecer que em toda caça às bruxas há figura do salvador. Esse por sua vez, esteve sempre atrás da cortina, se preparando para apontar as falhas e fazê-las algo muito maior do que são. Assim, quando as coisas dão errado, o nome deles é que emerge para salvar a pátria. E então ele entra com seu time de especialistas para mostrar “como deve ser feito”. O output desse cenário são dois: o time estava perto demais do sucesso e o líder foi tirado do lugar quando na “semana” seguinte conseguiria atingir o objetivo, e nesse caso o salvador triunfa e consegue se sustentar por muito tempo no poder. Usando essa conquista como uma grande meta que alcançou em pouquíssimo tempo, fazendo “as coisas certas”.

CC - http://www.flickr.com/photos/ladydragonflyherworld/

O outro cenário, que é mais comum é: o salvador se embanana em pouquíssimo tempo.

De perto, aquele problema que era muito fácil de críticar é bem mais difícil de resolver do que parecia.

E acaba se tornando motivo de piada para quem ficou. E depois de todo o desgaste, entre mortos e feridos. Os que ficaram, é que terminam o trabalho e entregam. Mas até aí, a empresa já perdeu muito dinheiro e muitos profissionais. A solução para combater esse pattern é muito difícil de ser colocada em prática: O líder precisa ter um relacionamento muito bom com a camada de cima e uma credibilidade inabalável, que as falhas momentâneas não deixem impactar na concepção e entrega do todo. Só assim, as falhas se tornam parte do processo de aprendizagem e os integrantes do time são vistos como indivíduos que tentaram e falharam, e estão muito mais fortes para tentar novamente até conseguir.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Scrum Melhores Práticas – Applied on Corporate Scenarios – Pt1


Que o Scrum funciona, ninguém duvida. O problema mora em como e onde ele é aplicado. Ele tem mais chance de mostrar resultados em empresas pequenas (onde geralmente há mais flexibilidade e espaço – ou mente aberta) do que em empresas grandes (corporações com processos dogmáticos).

O manifesto ágil é pragmático. Mas ele parte da premissa que você não trabalha com crianças. Ex.:Documentar uma micro-decisão por e-mail.

Tenha em mente que ao implantar o Scrum (e TODOS os seus valores) você terá dois benefícios imediatos: Detectar os problemas que “impedem” a velocidade de entrega (todos os tipos de problemas: técnicos, políticos, etc.) E trocar grandes falhas que serão detectadas em meses (ou em uma janela de tempo muito maior) por pequenas falhas – que são corrigidas na iteração seguinte.As maiores “lessons learned” que tive foram:

Confundir Scrum com bagunça
Ao entrar diretamente em choque com um sistema processual, o Scrum é sempre confundindo com bagunça ou desorganização. Sendo que, existem diversas maneiras de se controlar/monitorar a evolução das iterações e das releases. O indicado nesse caso é sempre expor os controles (sprint burndown, release burndown, quadro, backlog). Deixar isso o mais visível possível para que as pessoas comecem a se adaptar aos novos controles.

Manter a temperatura do grupo
A tendência natural ao se formar times e rodar as iterações é que a médio prazo as discussões sobre as histórias e as tarefas sejam minimizadas. Pois o time vai perdendo o pique e prefere entregar sem ter que discutir para achar o melhor caminho. Nesse caso, um time que discute sobre todas as histórias em todas as interações é ruim, bem como também é ruim um time que nunca discute nada e todos sempre estão em comum acordo. O indicado é monitorar essas discussões e, se for o caso, incentivar as discussões ou evitar discussões acaloradas.

+ interações + problemas
Conforme as iterações passam, os conflitos entre membros do time ou entre time e pessoas que dão suporte ao desenvolvimento, pode aumentar. É necessário, nesse momento, o lado político do Scrum Master entrar em atuação e ponderar as considerações para que os ânimos não se exaltem ou haja um partidarismo desnecessário. O foco deve ser na entrega do produto com qualidade e não em estar certo ou errado.

Controle

“Controle inteligente é confundido com descontrole ou liberdade” Lao Tzu – Livro da Ética

Conforme os hábitos e a mudança de comportamento são incorporadas no ambiente de trabalho, pessoas em volta e inclusive os participantes que estão adotando essa metodologia tendem a encarar a nova prática como uma ausência de supervisão por parte da gerência. Quando na verdade, o conceito que muda é a transferência da responsabilidade para as pessoas do time. Horário de entrada/saída, divisão de tarefas, entregas, são responsabilidade que estar do lado do participante. Indicação: o Scrum Master deve somente interferir quando as coisas estão saindo fora do controle.

Filtrar informações para a equipe
Até todas as pessoas envolvidas com o desenvolvimento (de todas as áreas) entenderem a filosofia agile muita besteira é falada e é trabalho do Scrum Master filtrar essas informação para o time. Ele deve comunicar o feedback e como o time é visto pela empresa na retrospectiva e não durante o sprint. E sempre passando pelas três peneiras de Sócrates: A Verdade, Bondade e Necessidade.

Manter a motivação
Com tantas mudanças conceituais e necessidade de mudança de postura de muita gente, manter a motivação para médio e longo prazo é um dos grandes desafios do Scrum Master. É necessário sempre comemorar as entregas e celebrar quando as coisas deram certo. Criar moedas de troca com o time é extremamente necessário.

Velhas posturas em novos paradigmas
Como dito, se sua empresa tiver a mentalidade dos anos 70, levar essa empresa para uma mentalidade mais evoluída vai ser difícil e doloroso.

Evidenciar problemas incomoda pessoas
Quando os impedimentos aparecem os problemas que estão por trás desses impedimentos são na maioria das vezes políticos. Por que alguém quis fazer as coisas de alguma forma e ninguém saber o por quê é um exemplo clássico desse item. Outro ponto importante: questionar é parte do processo de entendimento. Ouvir coisas do tipo “vamos colocar todas essas informações no relatório porque o diretor pode querer saber desse indicador algum dia” também dói no coração. Alguém pode, por favor, questionar quais as informações que o diretor quer no relatório?



Evitar a adoção parcial – ScrumBUT
Adotar meio Scrum é ter o dobro de problemas. É melhor fazer uma adoção total em um time do que uma adoção parcial em cinco times. Vários problemas nascem dessa adoção parcial. E é nessas horas que um Scrum Master com experiência consegue identificar os problemas e entender que são reflexo de uma adoção parcial.

Maturidade
Esse item fala por si só. Em algum momento da implantação do Scrum, a tendência é perder o foco. E esquecer que a entrega é o mais importante. Estar certo é um argumento forte, mas entregar funcionando é uma verdade científica.

Pessoas e Empresas
Esse item está intimamente relacionado ao item acima, maturidade. Sendo que as pessoas fazem as empresas, é preciso sempre selecionar pessoas maduras para fazer parte do time. Evitar criar uma “cultura do medo” onde só porque algum master-diretor pediu algo isso deve ser feito sem ser questionado é uma boa prática. Em uma sociedade que busca ter respostas rápidas pra tudo, a arte de fazer boas perguntas se faz mais necessária do que ter uma resposta pronta.

Ter um projeto
Muitas vezes o PO ou a empresa não tem um projeto, eles têm uma ideia. Não tem regras de negócio, layout, detalhes. Há só uma big picture formada na cabeça de alguns que querem esse esboço concretizado para provarem algum ponto. O Scrum Master deve trabalhar junto com a gerência ou com o PMO para criar critérios antes de iniciar projetos (uma fase pré-kickoff de validação de projetos que pode ser feitas por analistas ou pessoas de apoio ao PMO, sem envolver o time).

Perfil
Algumas pessoas simplesmente não querem ver as coisas de outra maneira. O investimento de tempo nessa possível transformação é sua responsabilidade. Tanto no “não” como no “sim”, esteja ciente dos riscos.

Evitar extremismos
Principalmente em TI, pessoas tendem a ser polarizadas. É um ou zero. Isso ou aquilo. Há um mundo de cores e variações possíveis para um acordo. Evite que seu time seja zero ou um.

Version one is better than version none
O Done Manifesto já prega isso há um tempo. É essencial para o Scrum Master, SEMPRE bater nessa tecla. Fuja do pensamento do perfeito na primeira iteração – isso lhe atrapalha de entregar algo.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A busca de talentos das empresas



Há muito tempo a mídia em geral bombardeia a mesma notícia: Faltam profissionais em TI. Na minha visão, até o final da década de 90 isso era verdade. Havia um grande gap entre a demanda e a oferta de profissionais. Na virada do milênio, essa discrepância diminuiu a um ponto quase inexistente. O que existe hoje são fatores que influenciam a busca mal-sucedida das empresas. Particularmente no Brasil, depois de 2008, com as crises eclodindo nos EUA e na Europa, a demanda exponencial caiu consideravelmente. Projetos gigantes já surgem com uma frequência menor. E quando surgem, a maturidade é maior do que se via no começo dos anos 2000 (sem um planejamento adequado e com afobação de ver entregáveis mais do que tomar decisões de negócios coerentes).

3 fatores aumentam a dificuldade das empresas em conseguir profissionais:

1 – Sua empresa não quer pagar o que o profissional vale
Um especialista em Google Analytics, que tem mestrado em estatística e fala alemão, existe. E deve haver uma dúzia de profissionais com essa combinação de skills. Só que a empresa quer pagar para esse profisional o mesmo que um consultor de Google Analytics. Vai haver candidatos qualificados/comprometidos para essa vaga, com esse valor oferecido?

2 – Your company sucks
A empresa conseguiu a fama durante anos de ser uma empresa ruim, e acha que pagando um valor um pouquinho mais acima do mercado, vai ser suficiente para atrair pessoas boas para suas vagas. Assim como as empresas fazem um background check nos candidatos, o contrário também é verdadeiro. Existem N empresas com esse perfil. Novamente, vai haver candidatos qualificados/comprometidos com esse cenário?

3 – It’s all politics
Muitas vezes a empresa tem características que aumentam o grau de agilidade e complexidade de decisões envolvidas. A política é muita. Startups com investidores que estão fazendo micro gerenciamento, donos inseguros, empresa familiar, etc. O fato é, se você é um gerente ou recrutador que quer contratar gente talentosa para esse cenário, mate no peito ou isole o máximo possível a politicagem dos seus profissionais. Essas pessoas querem fazer a diferença e estão dispostas a darem o seu máximo para entregar resultados. Não são do perfil que preferem ficar atrás e fazer política para se manter no emprego confortavelmente.

Afinal, lados bons e ruins todas as coisas têm. Mas com a experiência, os candidatos acabam escolhendo os tipos de problemas que terão que lidar na nova oportunidade.

Todos esses fatores são considerados e serão avaliados pelos candidatos. E hoje em dia, o candidato que não fizer essas considerações é no mínimo muito inocente. As empresas de maneira geral não assumem um papel ativo e não têm (ou não distribuem essa responsabilidade a) um departamento de RH. Esse departamento normalmente é visto só como uma consultoria de recrutamento e folha de pagamento. Sem nenhuma estratégia de motivação dos funcionários e construção de branding na empresa. Sendo assim, é difícil reverter o cenário, para que os profissionais não só aceitem as propostas mas comecem a procurar a empresa como um lugar que gostariam de trabalhar.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Corp Patterns – Little Italy

Um dos mais famosos patterns que acontecem no mundo corporativo é a mafiazinha de pequenos poderes – ou como eu prefiro chamar carinhosamente de Little Italy. Gente pequena que chegou lá em cima porque conhece alguém, ou porque é da família. Nada de anormal, business as usual.

O que é esse padrão?
É uma estrutura hierárquica em que alguém claramente despreparado, que não deveria estar em uma posição X, está lá. Não contente, traz toda a sua corja de amigos de faculdade, futebol, familia e brother em geral. Dessa maneira, é possível maquiar resultados em todos os níveis abaixo dele e todos ali se mantém empenhados em fazer tudo parecer estar dando certo, pois todos dependem dessa imagem de sucesso.

” Para o oportunista, as conquistas são sempre pessoais, e as derrotas, coletivas” – Marlos Almeida

Essa manipulação é baseada em tudo, menos em argumentos racionais. Amizade, humor do dia, alianças momentaneamente estratégicas. É o tipo de ambiente que abre muito espaço para a figura do oportunista. Mais conhecido como Romário Corporativo, ele vive parado no gramado, e em tardes de sol só se movimenta pela sombra. Quando sobra alguma bola na área e ele arremata, leva a fama de matador.

Meu deus, estou nesse padrão, há saída?
Sim, a porta e para você. Apesar de você ter fortes convicções que em um breve momento esse castelo de cartas marcadas vai cair, ele não vai. As pessoas estão todas confortáveis e envolvidas em manter a imagem. Se lembra daquelas correntes de internet que vem uma bla-bla-bla e no final estava escrito “não pare a brincadeira”. Essa é a idéia. Só há UM, um único ponto de possível falha aí, se a empresa não for líder no mercado. Nesse cenário a empresa volte e meia está testando novas estratégias e PODE SER QUE alguém acima desse personagem X, entre e descubra tudo isso ou queira ele mesmo fazer a sua Little Italy.

Não vale a pena esperar e ver no que vai dar?
Na minha opinião, não. Se você está identificando esse cenário, a sua projeção profissional está bem comprometida, a não ser que você entre para a família. Mas aí terá que fazer coisas que você não está disposto. A sua vida profissional e pessoal é muito curta para você ficar como expectador ou refém das situações.Pegue seu banquinho e saia de fininho: Será melhor para todo mundo, você que entrará em outro mood, para a Little Italy que poderá colocar alguém conhecido na sua posição e não parar a brincadeira.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

About Marketplace

CC - World Relief Spokane

Em tempos de transição de empregos, presenciei algumas situações que todos sabem, mas poucos se lembram nesse período. Essas situações valem a pena serem lidas quando estamos nos posicionando novamente no mercado. São elas:

1 – Não espere respeito ao horário: Calculo por cima que do total de entrevistas que eu fiz, posso falar que em 99% delas não fui atendido no horário em que a empresa marcou. Para ficar claro, eu não impus o horário que eu podia, aceitei a primeira sugestão de horário proposta. Mesmo assim, a média ficou entre 20 a 30 minutos de atraso. Eu sei, você pode falar: mas todos têm problemas e imprevistos. É compreensível. Mas se você fosse atrasar para a entrevista, faltando uns 10 minutos, não ligaria e avisaria o atraso e confirmaria se mesmo com o atraso ainda seria possível? Pois é. Essa consideração é unilateral.

2 – Não espere comprometimento com datas: “Eu te retorno com certeza até sexta”, “Vamos fechar o processo até o final de abril”, yeah yeah… não crie expectativas. A estatística se mantém. Pouquíssimos (um ou dois) casos as pessoas retornaram no período que elas mesmo estipularam para lhe dar uma resposta. Novamente, imprevistos acontecem. Mesmo assim acredito que é possível retornar para o candidato e posicionar sua expectativa para seja lá quando o processo será concluído.

3 – Não acredite em acordos verbais: Esse é válido principalmente se você ainda está empregado e recebe uma oferta. A quantidade de rollbacks de coisas que estavam “certas” foi inacreditável. Se você estiver empregado, recebeu a oferta verbal e foi falar com o seu chefe que recebeu uma proposta do mercado e está querendo sair, você está errado. Só inicie o processo de desligamento quando receber uma confirmação efetiva (email ou um papel assinado).

4 – O processo é demorado: um processo seletivo demora em média um mês. O rh marca entrevista na próxima semana, depois da entrevista uma outra é marcada na semana que vem… isso demora. Desconfie de processos onde você faz tudo num dia e já recebe proposta. Ou

eles não tem candidatos porque a vaga é uma cilada ou você está com muita sorte esse dia.

5 – Leia os sinais: Se você não é um bom leitor de sinais, comece melhorando essa sua percepção. Os sinais ou indicadores que as coisas são boas ou ruins estão presente em quase todos os lugares. Empregos, relacionamentos, etc. Ter essa percepção é essencial. Repare em tudo: instalações da empresa, recepcionista, tipo de roupa que as pessoas usam, como seu entrevistador está vestido, a maneira como ele fala. Anote isso na sua cabeça e depois da entrevista faça um reality-check para saber se o que você viu bate com o que você ouviu do entrevistador. Desconfie de empresas que se dizem multi-nacionais poderosas e que são instaladas em mausoléus em lugares inacessíveis, por exemplo.

6 – Pesquise sobre a empresa: Leia tudo o que for possível sobre a empresa em todos os canais possíveis. Além de ser um ótimo ponto durante a entrevista, serve principalmente como uma baliza na hora que você está fazendo um reality-check.

7 – Não tenha medo de rejeitar propostas: É estranho. Você está procurando emprego, recebe uma proposta boa, mas não gostou da empresa de um modo geral? Não é um começo interessante dentro de uma empresa você já entrar com uma pré-concepção negativa da empresa. Lembre-se que você tem que ficar ansioso para o telefone tocar e chegar a notícia que você foi aprovado e não torcer para que o telefone não toque com uma proposta. Diga que não aceita e dê uma razão plausível.

 

Por fim, ainda vou insistir no “imprevistos acontecem”. Sim, acontecem. O tempo todo. Podemos nos prevenir em algumas situações, mas na maioria das vezes somos reféns de acontecimentos que estão acima da nossa vontade. Sendo assim, imprevistos acontecem o tempo todo, a diferença é como você sai deles. Essa é a principal mensagem que ficou clara para mim. Às vezes para a empresa alguma coisa fugiu do controle naquele processo e as datas ficaram comprometidas. Não há nada que a pessoa que lhe entrevistou poderia fazer para que isso não acontecesse. No entanto, ela pode sim, ligar e dizer isso de uma maneira humana. E dependendo da sua reação ela já testa se você tem um bom controle emocional para quando as coisas saem do controle.

Há também um outro mantra: não crie muitas expectativas até as coisas estarem realmente certas. É só um reforço do que eu falei no terceiro item. Mas de modo geral, até você assinar o contrato ou entregar sua carteira de trabalho você não está na empresa. Então, saber gerenciar a sua própria expectativa é um conceito chave para evitar desânimos nessa hora.

update 1 — para cargos gerenciais você pode resumir a busca assim: O LinkedIn (no plano premium job seeker) te dá visibilidade, mas a publicação de vagas é escassa. Já a Catho te dá muitas vagas por dia e você tem que selecionar quais são mais parecidas com o seu perfil. Caso conheça um outro mecanismo que você recomenda para vagas não técnicas, por favor, compartilhe.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

KPIs, ROI e Valores Intangíveis em Projetos

Por definição, o gerente de projeto deveria (ainda na fase de iniciação) compreender o business goal que o projeto irá atingir. Esse business goal pode ser expresso por várias maneiras. Porém, quando estamos falando em ROI – qual o retorno que o projeto traz para a empresa dado o investimento e quais KPIs esse projeto será avaliado a tendência é estamos sempre lidando com o tangível, quantitativo. Na transição da sociedade industrial para a sociedade baseada em informação ainda temos dados tangíveis e quantitativos para medir a eficiência dos projetos.

Nem sempre os projetos de hoje são só expressos em números, alguns valores que os sponsors querem entregar ao cliente saem do tangível ou são puramente políticos? Melhorar a experiência do usuário, informação de credibilidade, conveniência, aumentar o awareness da marca. Isso deve ser convertido em números e mesmo que a resposta seja positiva, isso não é facilmente manipulado por quem vende o projeto? É muito fácil ser convencido com números quando não se entende do que está se falando. Afinal, qualquer adjetivo bom,mal, feio, bonito sempre tem que estar atrelado à uma baliza.

Mesmo com essa “intangibilidade”, essas novas métricas devem tentar expressar em tempo ou custo o ganho obtido. Mas ao analisar isso, o responsável pela estratégia deve se questionar como o cenário anterior ao projeto foi medido e se esses valores (agora obtidos com o projeto) se mantêm com o tempo, se crescem (ideal) ou se desinflam.

A conclusão não é novidade, as empresas devem constantemente monitorar a aderência dos seus projetos à estratégia definida. Os valores entregues ao cliente no final do projeto ainda fazem sentido? É necessário aos responsáveis por tomar a decisão se apoiar em valores e em números.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

2 more patterns – Os últimos dois padrões de comportamento

Depois de um longo tempo de validação desses padrões, creio que quando há consciência dos 4 últimos relatados a sua vida se torna bem mais simples. Identifiquei mais dois padrões nos últimos tempos. São eles:

Compromisso-less: Este é uma mistura entre o 3 e o 4, porém, bem mais simples. A pessoa simplesmente, por mais que você tenha argumentos, não admite que “pisou na bola”. Mesmo havendo previamente acordos, provas, etc. quando chega o momento de você cobrar algo combinado que não foi cumprido a pessoa simplesmente não consegue admitir que ela poderia ter agido de outra forma – mais próxima do esperado ou combinado. Se você passa a responsabilidade para uma pessoa e ela não aceita, com quem fica a responsabilidade?

Mudança de foco: Muito utilizada em discussões quando a pessoa se vê sem argumentos. É a fronteira final da apelação. A discussão muda do que está sendo discutido para o como está sendo discutido. E como você está sofrendo o impacto, provavelmente está ligeiramente incomodado com a falta de resultado obtido. Então depois dos fatos expostos e de uma fraca argumentação do outro lado, a discussão passa para como aquilo está sendo discutido. É um dos padrões que mais envolvem jogo de cintura. Você precisa não dar margem para que esse “mind game” seja usado. Já vi diversas pessoas que estavam certas na sua argumentação sofrerem por tentar resolver algum problema e se exaltarem um pouco. Importante ressaltar: essa exaltação está longe de ser algo agressivo, mas é o suficiente para que já caia no campo da mudança de foco.

Para finalizar a série de posts sobre padrões de comportamento: Mesmo que você se torne uma pessoa hábil na identificação desses padrões para resolver os problemas do dia-a-dia, o mais importante antes de entrar em qualquer discussão é responder: Qual é o lucro obtido? Em 90% dos casos, não vale a pena e há maneiras mais fáceis de se resolver o problema na raiz dele. Ou você identifica que as situações ou as pessoas não vão mudar. O que vai mudar simplesmente é você (que vai ter uma postura mais madura) e a sua maneira de encarar os problemas. Lembre-se do mantra: Qual é o lucro obtido?

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Padrões de Comportamento Humano – Human Behavior Patterns

Há algum tempo tenho observado padrões de comportamento em interações entre pessoas. Elas se repetem e não importa o ambiente que você está – trabalho, estudo, família, condomínio,etc. Aprendi, à duras penas, que o desconhecimento desses padrões faz com que a pessoa não saiba como reagir à ele. Pois fica confusa tentando por “lógica” em uma situação que não existe lógica. Nas interações em que cenário é “cliente-fornecedor (ou prestador de serviço)” ou entre pessoas que combinaram alguma ação ou entrega previamente acordados .São eles:

1 – Transferência de problemas: mais clássico, acontece quando você se vê lidando com problemas que não são seus e sim mal administrados por outras pessoas. Ex. O fornecedor não consegue lhe entregar a sua solicitação (novamente, previamente combinado e acordado) pois teve um problema operacional não excepcional e que ele deveria ter um plano de contingência para tal. Ou quando uma pessoa da sua equipe começa a chegar mais tarde e ter que sair mais cedo porque se mudou para uma cidade bem mais longe do trabalho. Lembrando, uma coisa é entender o problema, e tentar achar soluções ganha-ganha a outra é ter que se limitar a problemas impostos por outros aos acordos previamente combinados.

2- Inversão de valores: É quando você tem a nítida sensação de uma troca de papéis: cliente-vendedor, chefe-subordinado. Quem tem a responsabilidade do que? Você se pergunta o tempo todo por que o seu papel está sendo feito por outra pessoa. A pessoa que tem direitos se vê tomada por solicitações que não são da sua resposabilidade e sim da pessoa que está solicitando.

3- “Pagar” de maluco: Esse é simples. São situações onde a pessoa nega que fez algo que você está provando que ela fez. Exemplo, você abre um email que a pessoa escreveu e fala “você me respondeu isso aqui!”. E a pessoa retruca: “EU? Eu fiz isso? Não, não fiz”.

4- Se fazer de vítima: Esse padrão também é bem usado. É quando para todas as situações a pessoa se faz de vítima. Muitas vezes me pego pensando “nossa, deve ser um inferno viver na pele dela”. Pois parece que ela nunca teve opção de agir de outra forma. O mundo todo acorda e secretamente resolve consipirar contra ela – todos os dias. As pessoas são responsáveis pela maioria das consequências que elas estão sofrendo. Salvo algumas excessões, todos sabem os riscos das ações que tomam, ou deveriam saber. Não passe para outra pessoa um problema que você é responsável.

Esses 4 padrões core ou root, são interligados. Não há claras zonas de identificação de cada um. Muitas vezes em uma situação de conflito a pessoa passa de um para o outro rapidamente e tudo vira uma bola só. Nesses casos é sempre bom manter a calma e não misturar “banana com maça”. Trate de cada problema isoladamente.

Update: Esse artigo poderia se chamar algo como: “What I’ve learned dealing with people”  🙂

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone